26/06/2009

LOVE

Como ainda não fui dormir, vamos falar do dia 25. E, como na postagem anterior, falando em música, no dia 25/06 de 1967 (desculpem o monopólio) os Beatles participaram de uma transmissão na TV ao vivo, em escala mundial, para 26 países.


Por meio de um convite da BBC de Londres, direto do estúdio Abbey Road, os Beatles estavam diante do desafio de cantar algo que comunicasse em todas as línguas. Tinham em mãos a chance de tocar para um montão de gente, o que lhes desse na teia. Aterrissariam em milhares de telas via satélite, bastava escolher um tema, a ser expresso numa canção. Paul e Lennon compuseram algumas músicas e uma de Lennon foi eleita. Escolheram o amor. A música virou single e um dos principais temas do filme Yellow Submarine.

Aproveitando (mesmo) a brecha só pra dizer

vamos amar.
Vi-va o amor, gente.


7 comentários:

vanessa lopes disse...

é um clichê tão verdade né.
Tudo com amor é tão mais gostoso.
Valeu pela quinta-sexta amorosa!!!
muito amor pr vc!

Marjorie disse...

E se não me engano, a mùsica foi tambèm gravada em meio a Guerra do Vietnã. Fazendo com que "Love" seja tambèm lembrado como um hino pacifista, junto a tantos outros que marcaram o movimento hippie que nascia nos anos seguintes.

Bela idèia de post.
Me fez acordar feliz, com vontade de amar.
Let´s love, babe.
Eu amo.

Um beijo grande

Mateus do Amaral disse...

Pois é. Uma vez, perguntaram ao John se os Beatles não iriam fazer alguma música contra a guerra. E ele respondeu: "Todas as nossas músicas são contra a guerra". E acho válida essa conclusão. Pois não existe um amor para cada situação, mas sim um amor pleno, um que nos remete à paz, à compreensão, à amizade, ao carinho, ao amor entre duas pessoas, enfim, a todas essas coisas positivas do mundo e da vida.

Assim como o John passou a pensar alguns anos depois daquela transmissão, eu também sei que tudo de que a gente precisa é o amor, mas que não basta falar no amor. O mundo precisa de gestos concretos e radicais de amor, no sentido mais universal do amor, que é o de solidariedade. Por isso, recebo com muita alegria os versos finais da sua postagem, e espero transformar essa atmosfera boa que me cerca em chuva gostosa.

Um grande abraço!

vanessa lopes disse...

nossa!! vc twitou?? rsrsrsr podia sim, (caiu na rede, é peixe!)
as pessoas vão me matar né? rsrsrsrs
vc me perguntou se foi comprovado mesmo, né?
Olha Gabriel 100% provado não foi, porque envolvia negligencia por parte dos pais, que na época receberam dinheiro,não só os do Macalay Culkin, mas de um menino de classe baixa que meio que vivia com ele, passava fins de semana e disse claramente que o Michael dormia com ele.
Mas como pedofilia n é´poca era muito menos conhecida do que é hoje e rolou muita grana ficou o dito pelo não dito.
Eu li uns artigos sobre pedofilia em que os próprios psicologos, psiquiatras não apontam 100% como perversão, como doenca, heranca genética, porque é muito dificil diagnosticar, inclusive tem ums coisas bem interesantes sobre, tipo a grande maioria de pedófilos é homens, a quantidade de criancas aliciadas nunca passa de 100 por pessoa (horrivel isso né?)entre tantas, é um assunto que dá pano pra manga...

Carol Ferreira disse...

Ah que post inspirador, Gabriel! Agora pouco estava ouvindo "O Grande Encontro 1", mas ele terminou e comecei a ouvir sabe o que? O "Magical Mistery Tour"! hehehe. Então, entrei aqui no seu blogue e lá está o verso "Love is all you need"! Sério! Só faltou estar tocando "All you need is love" aqui hihi. Beijosssss

vanessa lopes disse...

querido Gabriel, já teve um fã querendo me matar, pode ir lá ver... bjussssssssss

Gabriel disse...

Vanessa,
Eu vi lá, mas vc respondeu a altura, com muita classe.
Obg pelas discussões, um abraço