26/12/2007

O prof. Jonas não teve ética, deixou-me com 5.5 de média.
Achou que falou de ética o semestre todo. Falou sim. Mas, mais filosofou e divagou do que qualquer outra cousa, afinal, ele é um filósofo. E filosofia combina com jornalismo?
Devia combinar, mas o mercado... ah, o mercado...

Das coisas boas das aulas dele: os longas Dogville e o "belo" Irreversível.

Aí, a gente escapa pela tangente: as notas nem sempre refletem o aproveitamento da disciplina.

----

Cheguei a uma das duas únicas lan houses de Jataizinho (donde vos escrevo), estava repleta. O horário matutino é mais barato, um real a hora.

_ 8 minutos tem uma máquina liberada - disse a Geise, a atendente, mocinha linda, duns 16 anos (mas que aparenta ter 18). Permito-me o elogio, pois conheço-a de alguns anos.

O calor por cá faz soar a testa na sombra. Saí do ambiente a fim de refrescar e aguardar a minha vez. Logo na escadinha de acesso a lan, duas moças conversavam, uma delas segurava uma criança no colo:

_ Mandei chamar a Andréia e ela fez uma vozinha (de "voz") diferente, querendo me enganar.

E encenou: a Andréia está?

Ela mesma respondeu: a Andréia não está, com aquela vozinha (e imitou a voz). Acredita na cara de pau, a Andréia tentando me enganar fingindo a voz dela?!

O bebê começou a chorar e elas foram indo-se. Passou um caminhão e ouvi atrás de mim:

_ a máquina 15 liberou Gabriel!

----

No dia natalino a bagunça na cidade (Jataizinho) foi até as 4, 5 da matina, pra mais. Na praça, ponto de encontro da rapaziada.
A constatação: não importa se é natal, ano novo, carnaval, proclamação da república ou o que for, a festança é praticamente a mesma: música alta (sertanejo brega - pq tem o sertanejo raiz - e pagode) saindo de porta mala de algum carro, o pessoal enchendo a cara de cerveja e se aprumando a dançar e a falar bobagens.


Observava tudo do outro lado da rua, com algum amigo e colegas. Durei pouco, cerca de uns 40 minutos porali. E ouvi: "ué, mas já vai? Tá fraquinho ein". Apontei pro outro lado da rua e abri os braços e as mãos, desencanei de resposta. Ainda bem que o pessoal se diverte. E a gente também.

Depois, ouvimos que precisa escrever e comunicar pro povo. Como diria o Malandro: "isso não vai rolar caara!".

2 comentários:

Rod. Splendor Brandão disse...

Brohter achei bacana o lance das captulares no corpo do txt. Mais uma vez a criatividade se fez presente no seu blog brotherzinho.

O lance daqui é bem essa, pena que tu só escuta de vez enquando isso. E eu apenas um simples mortal tenho que aturar sempre essa mesma basbaquice capiau jataizinhense...

Ainda estou sem uma vontade das boas pra escrever por aqui! que bosta isso - cara!

Purplesnake disse...

Olá!Você é de Jataizinho mesmo?
Abraços!