21/11/2007

A gente só gosta de notícias ruins.

Assunto 1: Jornal Contexto pras meninas.

As moçoilas Cris e Maga irão receber daqui alguns dias uma edição de LUXO em suas casas. Elas pediram aqui (post de 04-10) e finalmente tive a vergonha na cara de enviar.
Boa leitura.

Se ficou com inveja, é só pedir que a gente envia, mó prazer.


Assunto 2: Notícias Mentirosas? Ou Ruins?

Cepal: número de pobres na América Latina é o menor dos últimos 17 anos

Martha Beck - O Globo

BRASÍLIA - O crescimento econômico da América Latina permitiu que 15 milhões de pessoas saíssem da pobreza e 10 milhões deixassem de ser indigentes na região em 2006, segundo levantamento da Comissão Econômica para América Latina e Caribe (Cepal). O "Panorama Social da América Latina" estima que a região deve encerrar 2007 com uma população pobre de 190 milhões de pessoas, o número mais baixo dos últimos 17 anos.

Brasil, Argentina e Venezuela estão entre os países que registraram maiores avanços. Segundo a Cepal, no caso brasileiro, não apenas o crescimento, mas programas de transferência de renda, como o Bolsa Família, foram determinantes. O país reduziu em 4,2 pontos percentuais tanto a pobreza quanto a indigência entre 2001 e 2006.


Os caras pálidas
Mas não é possível! Isso aqui é país de terceiro mundo. "O terceiro mundo vai explodir!"
"Quem tiver de sapato não sobra!" Como pode o nível de pobreza diminuir? E com um governo desses ainda por cima? Não pode ser, esses dados são manipulados, é o sistema!

Deixa eu adivinhar o que os rancorosos (o abominável homem das neves) e descrentes vão dizer: do que adianta nível de pobreza, se o povo continua passando fome, não tendo atendimento à saúde, emprego e nem habitação, saneamento básico?

É que a gente só gosta de notícias ruins. Falar das coisas boas não vende jornal.

2 comentários:

luma disse...

É verdade! Jornal que não mostra as tragédias do dia a dia, não vende!
Você já tem o meu e-mail!
Aquilo é relógio sim! Só tirei o tic tac! Mas se quiser coloco!
Bom fim de semana! Beijus

Rodolfo Brandão disse...

Bem isto mesmo. Mas o que nos falta é saber equalizar às notícias, be como , nos é ensinado nas escolas de jornalismo, ouvir vários pontos de vista, e expor o lado bom e ruim dos fatos.

Infelimente, notícia boa, hoje, é sinônimo de utopia de quem a escreve, ou como jabá promocional hora do poder público, hora do privado.