12/11/2007

Assunto 1: a grande mentira.

Quando estava no colegial, no ensino fundamental e até no primário disseram que para ser alguma coisa na vida eu precisava estudar. Disseram também que estudando, sendo um profissional e, portanto, cursando uma universidade, eu teria emprego, certo?

Corta para uma cena do filme de Hector Dália, "O Cheiro do Ralo".

No balcão de um caixa de uma lachonete.

Selton Mello: ei, e a moça que trabalhava aqui?
Dono da lanchonete: não trabalha mais.
SM: Vc tem o telefone dela? - meio aflito.
DL: Não.
SM: Nem no registro, nada? - ainda mais aflito.
DL: Registro? Vc acha que eu sou burro de registrar alguém? Pagar direitos, férias etc. Nem fodendo.


Mentiram pra gente.

Daqui a pouco vou sair da faculdade e terei emprego garantido? Com salário, carteira assinada, férias e o caralho?

Tem um montão de colegas recém formados e vocês acham que estão trabalhando, carteira assinada e pá? Vai achando.

O Gilberto Dimenstain comenta, no texto "Como ganhar diploma de otário":

O que o mercado está dizendo claramente é que o jovem teria mais chance de ganhar um emprego se fizesse um curso técnico ou tecnológico. Fazer um curso superior pode significar, em muitos casos, apenas o diploma de otário.

Assunto 2: a melhor banda do mundo.


Eis que veio ao mundo a edição especial (de luxo companheros do jornal?) do segundo filme dos Beatles (que banda hoje faz filmes alá trapalhões?), o Help! É mano, é também o título de um disco deles de 1965.

E quem nunca ouviu a música-título não está nesse planeta.

O Help! serviu de base para os filmes que o Roberto Farias (o Richard Lester tupiniquim), realizou com o Roberto Carlos! Bizarro.

HELP! agora colorido, com edição dupla, teve lançamento mundial dia 5 de novembro. Pela bagatela de 80 reaus. Vai pagar quanto Tets?

Da Folha:

Lá fora, além da versão com os dois DVDs e livreto, há um box de luxo, com reprodução do roteiro anotado pelo diretor, cards, um cartaz e um livro de 60 páginas com fotos dos bastidores da produção. Nesse caso, o preço sobe de US$ 30 para US$ 135.

A capa do Help!
Lembra da capa do Help!? Aquela que tem os quatro Beatles cada um de um jeito, com os braços pra cima, pro lado, diagonal? Manja né? Então, eles tentaram escrever Help! numa língua X (que não sei qual é), mas ficou ruim visualmente. Aí, eles adaptaram e ficou assim:



-----------------------

"
Ajude-me,se você puder, eu me sinto pra baixo
e eu vou apreciar a sua luta na existência
ajude-me, coloque meus pés de volta no chão.
você não vai, por favor, ajudar-me?"


8 comentários:

_Maga disse...

Pois é... na verdade eu entrei na fria da "Psicologia" bem consciente disso. O que eu não esperava era não ter nenhum preparo na universidade para isso que estou passando agora. Entrei sabendo que era dificil, mas o pior não é isso: na universidade nos massacram, abusam, pedem, exigem e nunca dão nada, tudo em nome do mercado. No final saímos cansados, sem forças para lutar por nada. Com um diploma na mão e um gosto amargo de fracasso na boca.

Por outro lado, não troco o que aprendi por lá por nada... apesar de ainda me doerem as pancadas que levei...

beijos

SAMANTHA ABREU disse...

teu blogue tá demais!
teus textos são bosn pra caramba!
adoro.



tem coisa nova hoje no Falópio:
Eu e um crime passional
VERSOS DE FALÓPIO
http://versosdefalopio.blogspot.com/

Apareça!

um beijo!

luma disse...

Essa coisa do emprego tem a ver com estar no mercado de trabalho. Quem cursa faculdade, geralmente se dedica só a isso. Somente aqueles que fazem um curso mais leve, podem trabalhar e estudar, a mesma coisa quem faz curso técnico.
Passando pela etapa do primeiro emprego e estando no mercado de trabalho, mesmo não estando naquele ideal, estar na ativa já predispõe a ter mais oportunidades e capacidade para acatá-las.
Muitos estudantes saem da faculdade sem experiência nenhuma de trabalho e se comparar com outras pessoas da mesma idade, ela já estará em desvantagem.
A não ser é claro, se continuar no ramo da família. Muitos estão optando por isso para não ter que enfrentar a concorrência.

Conheço muita gente doida pelos Beatles, que vão adorar isso!

Beijus,
Luma

Rodolfo Brandão disse...

cara que fóda isso brotherzinho. na conversa de ontem vc me revelou um blog que eu acho não ser seu. Mas é o seguinte, olha só este daqui. Foi deste que eu me referia a você.
http://noticiasmentirosas.blogspot.com/

Mas é o seguinte, agora que eu deu uma olhada no seu novo lance, achei criativo, e com as pirras de sempre.
Sobre o outro blog com o memso título do seu, um dos artifícios que existe no outro é que a linguagem tá bem mais (terno e grava), saca?! Dai eu estranhei um pouco...

Mas tá valendo. Essa semana rola um txt lá no meu, te aviso antes!!!

Fer ou Nanda disse...

então..

interessantes colocações...

mas cuidado: não desacredite no ensino superior...um pais de técnicos será eternamente um país de subempregados...melhor ser um jornalista autonomo, poder dar umas alfinetadas em quem merece com textos, fotos ou qquer outro recurso que os midia oferecem, do que trampar bonitinho, com CTPS assinadinha, férias o caralho a quatro como um automato...

acho que precisamos urgente de pesquisadores...o próprio gilberto dimenstein há alguns anos, acho q ano passado, vou ver se acho esse texto, disse na folha que a Fapesp - agencia de fomento de pesquisa - joga dinheiro pela janela...

falta gente pra pesquisar...sim, o contra argumento será: mas tem vaga pra todo mundo ser docente e pesquisador? ou, eu tenho q fazer isso pra ter emprego digno?? não..não é isso...mas o fato é: existem caminhos alternativos ao mercado de trabalho sub-aproveitados...e pouca gente saca isso...

um amigo meu se formou em engenharia de materiais...na graduação desenvolveu uma pesquisa financiada pela fapesp com plásticos...ele nunca nem pensou em fazer mestrado...foi direto pro mercado...o q aconteceu? contratado no primeiro processo seletivo...diferencial: pesquisou e conhecia o material com o qual ia trabalhar...ao contrário dos outros candidatos...

não sei se deu pra me entender...rs..to ficando prolixa e daqui pra frente vou ficar confusa...mas o fato é: há pouco mercado, muita gente e vc precisa ser diferente...eu não nego a logica de mercado, não gostaria que fosse assim...MAS É!! então, sejamos realistas...ao invés de lamentarmos o fracasso da falta de emprego o esquema é o já famoso "se vira nos trinta"

enfim...parabéns pelo texto...vc não tem idéia de como evoluiu, cara...rs...textos ótimos...

orgulho da titchia!!!

heheheheheh

beeeeeeeeeeeijos

SAMANTHA ABREU disse...

Querido!
Tem coisa nova no Falópio!
http://versosdefalopio.blogspot.com/
Aparece por lá!
Um beijO!

João Ricardo disse...

beatles é legal mas ainda não é a melhor banda (pra mim, pra mim!)

luma disse...

Gabriel, as japonesas...é um relógio! (rs*) Beijus