17/01/2008

Certa vez, numa madrugada o telefone me despertou de um sono profundo...

O telefone tocou e era o Ângelo. Mas quem é Ângelo? O Shun. Que Shun? Bem, se você não conheceu, azar o seu querida...

Falou amenidades, de cinema, que está trabalhando em um que anda as capengas, mas que está lá firme e forte. Disse que o preço da lan house é alto (3 reais a hora) e por isso deixou de verificar os emeios. Contou que anda com o antigo sonho de comprar uma câmera e uma ilha de edição pra botá-la na mão e deixar rolar os pensamentos e idéias na cabeça. E, por causa do sonho anda economizando até pra comer, tipo passando fome. Palavras do Shun. Perseverou: “no máximo até o ano que vem concretizo esse sonho”. Éé... meu pai estava certo, melhor primeiro pensar em como ganhar dinheiro. Aí, com o dinheiro na mão, a gente realiza o sonho.

O Shun, lembrou ainda aos comparsas bravatinos que sente imensa, enorme saudade, e que não pensem vocês que ele vos esqueceu, pois pensa em nós, vocês, sempre e que, se não liga é porque não tem grana etc etc etc.

É, nós sabemos, tamos na mesma pindaíba poraqui.

Mandou anunciar que virá pra festa Glam, certeza. “Essa festa vai fechar uma geração, preciso estar presente, todos nós cara”. Sim velho Shun. Perfuraremos a noite até depois do pastel da feira raiar.

Virá com a namorada o Shun, prazer imenso, a senhorita Selingardi.

Na hora de dar tchau frisou que gosta muito de nós, vocês, sente muita saudade, que não telefona porque não tem “capacidades” etc etc. E que nós, vocês, deixaram nele marcas, impossíveis de ser deletadas. Em nós também Shun. Lembra do batuque na lata? Das risadas que não voltavam mais, capotadas pra trás? E dos passeios pela noite? E do velho (ééé) Malandro no hospital?

Quis se desculpar novamente pelo horário. Não me venha com essa, ligue a hora que imaginar, amigo não tem hora pra aparecer.

E arrematei achando que estava com a bola toda, “receber ligação de um velho amigo querido às 2 da manhã de uma quarta-feira é um privilégio!” E ele:

“Ter um amigo para ligar as duas horas da manhã, isso é um privilégio raro”.

2 comentários:

Tatiana Aoki disse...

faz tempo que isso nao acontece comigo. Depois da internet, quase nao pego no telefone!
beijo

André disse...

Caracas Shun!!!
lendario rapaz!!
saudades!