25/11/2008

Os covardes

Esses dias ouvi no rádio, no programa " A Voz do Brasil", que o presidente Lula sancionou uma lei que garante piso salarial para os professores da rede pública (de 950 reais), válido para todo o território nacional. Segundo página do senador Cristovam Buarque, é o primeiro passo para interligação da categoria em todo o País (pois o piso é nacional). O valor estabelecido deve dobrar e/ou aumentar o salário de mais de meio milhão de professores.

Como alguns Estados não têm essa verba pra repassar, a União previu um dinheiro "socorro", a fim de complementar o valor do piso. Mas, ainda assim, governadores de vários estados entraram na Justiça para contestar a lei. Entre eles: São Paulo, Paraná, DF, Rio Grande do Sul, Mato Grosso do Sul e outros.

Os representantes dos estados protocolaram ação na justiça somente após o término das eleições, óbvio. Pois, caso agissem antes, certamente ganhariam revezes no cenário político, já que os professores representam uma grande categoria do País.

Tais governadores são uns covardes. Maiúculas por favor: COVARDES. Agora que teoricamente não têm nada a perder, esses "líderes" estaduais avançam contra uma lei que beneficia e aumenta (finalmente) o salários dos profissionais que estão no front pela educação nas escolas públicas. Agem por interesses próprios, são desleais, traiçoeiros, ratos zanzando na madrugada, integram a pior corja que corrompe o Brasil.
E fomos nós que os colocamos lá.

----
Tosse?
Beba muita água, pois ela facilita a movimentação da secreção (aquilo que seu corpo quer expulsar) nos bronquíolos; é o melhor antitussígeno que se conhece.

Valeu fumante.
O fumo é a principal causa de tosse, pelas seguintes razões:
1) aumenta o volume de muco produzido pelos brônquios;
2) causa irritação física e química das mucosas;
3) destrói os cílios que cobrem o revestimento interno dos brônquios;
4) facilita o acúmulo de material estranho às vias aéreas.

Um comentário:

Diego disse...

O piso salarial, por mais que pareça ser um mecanismo de valorização do professor, é contestável. Em alguns municípos pobres do Brasil, o salário de R$950 acaba sendo totalmente inviável para as contas das administrações, enquanto que em estados mais ricos, como São Paulo, por exemplo, o piso virou teto. É impossível querer igualar o salário de professores que vivem em lugares totalmente diferentes. A realidade do sertão da Paraíba é diferente da grande São Paulo. Equiparar o salários dos mesmos não é avanço, é retrocesso.